Se intensificam os protestos de agricultores na Índia

Os protestos de agricultores contra as novas leis de liberalização dos mercados agrícolas se espalharam pela Índia na terça-feira, quando as organizações agrícolas convocaram uma greve nacional após conversas inconclusivas com o governo de Narendra Modi.

Salvador Soler

Uma greve nacional convocada por milhares de agricultores indianos para protestar contra as novas leis agrícolas começou na terça-feira em meio a novas manifestações nos arredores de Dehli, a capital.

A greve segue cinco rodadas de negociações entre os fazendeiros e o governo indiano, sem nenhum avanço. Dezenas de milhares de agricultores bloquearam estradas importantes nos arredores de Nova Delhi, a capital, por quase duas semanas, exigindo a revogação total da nova lei agrícola. Em setembro, aproveitando o auge da pandemia no país, o governo conseguiu aprovar três leis de reforma agrícola em uma curta sessão do parlamento, usando uma manobra parlamentar para promover reformas na Câmara Alta.

Pode te interessar: Sindicatos de agricultores na Índia convocam greve geral nacional

Nos estados do leste e oeste, os agricultores bloquearam estradas e ocuparam trilhos de trem, causando um bloqueio econômico de grande magnitude. Lá, nos acampamentos que construíram nos arredores de Dehli, eles resistiram à repressão governamental e até destruíram barricadas policiais que pretendiam impedir o avanço das manifestações.

Agricultores nos estados vizinhos de Punjab e Haryana, ao lado de Nova Delhi, estão na linha de frente da luta desde o mês passado, montando campos de protesto na capital e nos arredores.

“Não permitiremos que o governo mude as regras porque eles querem prejudicar a renda dos agricultores, enchendo os bolsos das grandes empresas”, disse Gurwinder Singh, um agricultor de 66 anos de Punjab, um estado conhecido como o prato de comida da Índia.

Em Ghazipur, nos arredores de Nova Delhi, centenas de agricultores bloquearam todas as rotas de entrada e saída. Eles gritavam consignas como “Vida longa à unidade dos agricultores” e carregavam faixas, algumas das quais diziam “Sem agricultores, não há comida”. Eles permitiram a passagem de veículos de emergência, inclusive ambulâncias.

As reformas promulgadas em setembro relaxaram as regras sobre a venda, preço e armazenamento de produtos agrícolas que protegeram os agricultores de um mercado livre sem restrições por décadas. O governo afirma que as reformas são necessárias para aumentar a eficiência do enorme, mas escasso setor agrícola da Índia, que representa por quase metade da força de trabalho do país, mas responde por apenas 16% do PIB. Mas se trata de um ciclo de apropriação sem precedentes na Índia que busca resolver problemas de produtividade e aumentar o crescimento do país a partir do deslocamento e expropriação dos camponeses e da classe trabalhadora, que com a pandemia se aprofundou.

Com a garantia de preços mínimos, a maioria atualmente vende boa parte de seus produtos em mercados atacadistas controlados pelo governo, conhecidos como mandis. O principal objetivo das novas leis é modernizar o sistema de produção agrícola, o que significaria que os pequenos agricultores teriam de competir com as grandes corporações. Nesse sentido, em pouco tempo uma economia que sustenta a vida de 50% da população da Índia, 600 milhões de pessoas, estaria destruída.

O governante Partido Bharatiya Janata (BJP), liderado por Narendra Modi, declarou que as reformas não afetarão a renda dos agricultores, embora as novas medidas impliquem uma destruição de longo prazo das formas comunitárias de produção agrícola. Mais negociações entre o governo e organizações de agricultores são esperadas na quarta-feira.

O ministro do Interior, Amit Shah, convidou líderes de sindicatos de agricultores em protesto para continuar as negociações na noite de terça-feira.

“Muito provavelmente, o governo dará uma proposta por escrito na quarta-feira sobre possíveis emendas às leis. Assim que recebermos as propostas, iremos examiná-las ”, disse o líder agricultor Hanan Molla à imprensa após a reunião.

As redes sociais tem promovido simpatia pela causa dos agricultores entre a comunidade da diáspora indiana em todo o mundo. Nos últimos dias, milhares de pessoas têm protestado em apoio aos agricultores em frente à embaixada da Índia no Reino Unido e Canadá.

O governo de Modi está aproveitando a pandemia para fazer planos para liberalizar o campo e as leis trabalhistas neoliberais. O coronavírus, por sua vez, atingiu fortemente a Índia, levando o país ao segundo lugar no mundo em número de casos e mortes.

No entanto, os locais de protesto ao redor de Nova Delhi se transformaram em acampamentos, com famílias inteiras cozinhando e dormindo ao ar livre, mostrando que não pretendem recuar em defesa de sua fonte de sustento.

Pode te interessar: Centenas de milhares de camponeses ocupam a capital da Índia contra as políticas do Governo

Modi vem desenvolvendo um forte perfil nacionalista, xenófobo e racista em relação aos muçulmanos, paquistaneses e contra a China, para tentar fundir uma unidade nacional reacionária que lhe permita aprovar leis neoliberais contra trabalhadores e camponeses, além de anular as críticas sobre o manejo catastrófico da pandemia de coronavírus.

As explosivas manifestações mostram a dificuldade enfrentada pelo governo indiano para aprovar reformas econômicas em um setor tão grande onde há muitos interesses capitalistas. É também um exemplo de uma tendência emergente na qual o governo do primeiro-ministro Narendra Modi teve problemas depois de aprovar leis importantes unilateralmente.

O protesto dos fazendeiros contra as novas leis agrícolas se tornou o primeiro grande conflito operário contra o governo de Narendra Modi, dando continuidade à maior greve do mundo que paralisou a produção de 250 milhões de trabalhadores. A ferramenta de greve para esta poderosa classe trabalhadora pode barrar os projetos do valentão nacionalista Narendra Modi.

Source: https://www.esquerdadiario.com.br/Se-intensificam-os-protestos-de-agricultores-na-India

  • 863